segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Creche Comunitária Esperança em Cristo recebe ação educativa sobre pediculose





Crianças da Creche Comunitária Esperança em Cristo, bairro Itaipu, receberam no dia 17/09 ação educativa sobre pediculose promovida pelo Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC).  

O objetivo da ação educativa em saúde foi levar os pequenos a perceberem a necessidade de adquirirem bons hábitos de higiene, incentivando-os a conhecer e a cuidar do próprio corpo, evitando assim problemas de saúde, tais como pediculose.

Os agentes Élcio Nascimento e Rita Costa desenvolveram a temática com contação de histórias, abordando os tópicos:  características do piolho, ciclo de vida e hábitos do inseto, prevenção e tratamento da pediculose.  Os palestrantes ressaltaram que esses cuidados são muito importantes na prevenção de doenças e melhorias na qualidade de vida. Segundo Élcio, a participação e interação do público foi muito boa.








Educação em Saúde realiza palestra sobre arboviroses na Escola Honorina de Carvalho





A equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) – realizou, nos dias 04 e 20 de setembro, palestra sobre arboviroses (dengue, zika, chikungunya e febre amarela) na Escola Municipal Honorina de Carvalho, em Maria Paula.  A iniciativa se deu em parceria com o Médico de Família do Matapaca e faz parte do Programa Saúde na Escola (PSE), dos ministérios da Saúde e Educação.

O objetivo da ação educativa em saúde foi sensibilizar os alunos do 5º ao 9º anos do ensino fundamental sobre a importância da adoção de medidas preventivas no controle do Aedes aegypti – mosquito transmissor dos vírus causadores das arboviroses dengue, zika, chikungunya e da febre amarela urbana – e da multiplicação das informações no ambiente de convívio.  

As agentes Delcir Vieira e Patrícia de Oliveira desenvolveram explanação com exibição de slide-show e vídeos educativos.  Em pauta foram abordados e debatidos os seguintes tópicos: arboviroses transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika, chikungunya e febre amarela) e seus sintomas, características do mosquito transmissor, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor.

 “Contamos com o total apoio da direção e coordenação da escola.  Alunos e professores participaram ativamente, expuseram algumas dúvidas, que foram prontamente esclarecidas. Estimulamos que todos se tornassem multiplicadores e compartilhassem as orientações transmitidas”, informou Patrícia.









sábado, 28 de setembro de 2019

28 de Setembro: Dia Mundial de Luta Contra a Raiva.




“Raiva: Vacinar para eliminar” é o tema deste dia global de ação e conscientização sobre a prevenção da raiva - uma oportunidade para que indivíduos, ONGs e governos comprometam-se com o objetivo de eliminar as mortes por raiva até 2.030.

A vacina é a principal arma para combater essa enfermidade. Vacinar o maior número possível de cães em uma região cria imunidade coletiva, retardando a progressão das infecções por raiva entre os animais e reduzindo a possibilidade de pessoas serem vítimas dessa doença. 28 de setembro é a data do aniversário de morte de Louis Pasteur, químico e microbiologista francês que criou a primeira vacina antirrábica.

A raiva, também conhecida como hidrofobia, é uma zoonose (doença que passa dos animais ao homem e vice-versa) transmitida por um vírus mortal tanto para o homem como para o animal. O vírus tem predileção pelas células do sistema nervoso e, assim que é inoculado através de uma lesão na pele, se multiplica, invade os nervos periféricos e, movendo-se lentamente – cerca de 1 cm por dia - propaga-se pelos neurotransmissores, alcança o cérebro e provoca um quadro grave de encefalite (inflamação no cérebro). Dali, se espalha por vários órgãos do corpo, mas, é nas glândulas salivares que torna a multiplicar-se e é excretado pela saliva do animal doente.


Transmissão:

A transmissão da raiva ocorre quando os vírus da doença existentes na saliva do animal infectado penetram no organismo através da pele ou de mucosas, por meio de mordedura, arranhadura ou lambedura. A raiva apresenta três ciclos de transmissão:

- urbano: representado principalmente por cães e gatos;
- rural: representado por animais de produção, como: bovinos, eqüinos, suínos, caprinos;
- silvestre: representado por raposas, guaxinins, primatas e, principalmente, morcegos.

Sintomas:

Em todos os animais costumam ocorrer os seguintes sintomas:

- dificuldade para engolir;
- salivação abundante;
- mudança de comportamento;
- mudança de hábitos alimentares;
- paralisia das patas traseiras.

Nos cães, o latido torna-se diferente do normal, parecendo um "uivo rouco", e os morcegos que, com a mudança de hábito, podem ser encontrados durante o dia, em hora e locais não habituais.


Raiva humana

Tempo de incubação e sintomas:

O tempo de incubação do vírus varia de acordo com o local da inoculação (quanto mais perto da cabeça, menor o tempo), a carga viral e a natureza do vírus. É um período sem sintomas, que pode estender-se de alguns dias a mais de um ano.

Os primeiros sintomas geralmente só aparecem quando o vírus alcança o cérebro. No início, são inespecíficos e podem ser confundidos com os de uma infecção banal: mal-estar, febre baixa, dor de cabeça e de garganta, falta de apetite, vômitos e desconforto gastrointestinal. Podem surgir, ainda, formigamento, ardência ou coceira no local da mordida ou arranhadura. Essa fase é marcada, também, por inquietação e ansiedade; dura de 2 a 10 dias e ocorre antes de a encefalite se instalar.

A inflamação progressiva do encéfalo, provocada pela proliferação do vírus no sistema nervoso central, provoca o agravamento dos sintomas neurológicos: hiperexcitabilidade (inclusive sexual), confusão mental, desorientação, agressividade, acessos de fúria, alucinações, crises convulsivas desencadeadas por estímulos táteis, auditivos ou visuais, espasmos musculares involuntários e dolorosos, produção excessiva de saliva, dificuldade para respirar e engolir. A febre sobe muito, chegando aos 40 graus; ocorre a manifestação de fobias (medo exagerado) – hidrofobia (água), aerofobia (ar), fotofobia (luz). O doente sofre espasmos violentos quando vê ou tenta beber água, quando recebe uma corrente de ar ou quando é afetado pelo excesso de claridade. A destruição causada pelo vírus da raiva atinge inúmeras áreas do sistema nervoso central e produz uma síndrome paralítica generalizada, que evolui para coma e morte por parada respiratória.

Tratamento:

O tratamento da raiva humana deve ser aplicado em duas situações distintas:

- profilaxia pré-infecção: tratamento preventivo, utilizando a vacina antirrábica. É indicado para pessoas que ainda não entraram em contato com o vírus da raiva, mas que pertencem a grupos com maior risco* de contato;
- profilaxia pós-infecção: é o tratamento indicado para depois que a pessoa foi mordida ou arranhada por um mamífero. O esquema terapêutico varia de acordo com a localização e a gravidade da ferida.

*São considerados grupos de risco:
- profissionais que estão em contato direto com animais: veterinários, zootécnicos, biólogos, tratadores e adestradores de animais, guias de turismo de maneira geral e de ecoturismo, em particular;
- atividades que favorecem o maior contato com o vírus: trabalho em laboratório de pesquisa e análise, em pet shops, na exploração de cavernas, ou em viagem para países, especialmente da África e Sudeste Asiático, onde o controle da infecção é precário;
- moradores de locais próximos a regiões que funcionam como habitat natural para mamíferos selvagens ou silvestres, como morcegos, gato do mato, raposas, macacos, etc.

A administração da vacina contra a hidrofobia e da imunoglobulina antirrábica humana ou, na falta desta, do soro antirrábico no local do ferimento, tem por objetivo impedir o desenvolvimento e a progressão da doença. Quando esses recursos não são introduzidos a tempo, o quadro torna-se irreversível e evolui para coma e morte em alguns dias. Na fase final da doença, toda a atenção deve concentrar-se nos cuidados paliativos a fim de aliviar o sofrimento do paciente. Depois que os sintomas se instalam, a possibilidade de cura é remota e, até o momento, só foram registrados cinco casos de cura da hidrofobia no mundo.

O que fazer quando agredido por um animal, mesmo que ele seja vacinado contra a raiva:

- lavar imediatamente o ferimento com água e sabão;
- procurar com urgência o serviço de saúde mais próximo;
- não matar o animal e sim, deixá-lo em observação durante 10 dias, para que se possa identificar qualquer sinal indicativo da raiva;
- o animal deverá receber água e alimentação normalmente, num local seguro, para que não possa fugir ou atacar outras pessoas ou animais;
- se o animal adoecer, morrer, desaparecer ou mudar de comportamento, voltar imediatamente ao serviço de saúde;
- nunca interromper o tratamento preventivo sem ordens médicas;
- quando um animal apresentar comportamento diferente, mesmo que ele não tenha agredido ninguém, não o mate e procure o serviço de saúde.


Prevenção:

- levar os animais domésticos para serem vacinados contra a raiva, anualmente;
- procurar sempre o Serviço de Saúde, no caso de agressão por animais;
- manter seu animal em observação se ele agredir alguém;
- não deixar o animal solto na rua e usar coleira/guia ao sair.
Colaborar com os serviços de saúde nas medidas de controle da raiva:
- notificar a existência de animais errantes nas vizinhanças de seu domicílio;
- informar o comportamento anormal de animais, sejam eles agressores ou não;
- informar a existência de morcegos de qualquer espécie;
- providenciar a entrega de animais para coleta de material para exames de laboratório, nos casos de morte de animais com suspeita de raiva ou por causa desconhecida.


Evitar:
- tocar em animais estranhos, feridos ou doentes;
- perturbar animais quando estiverem comendo, bebendo ou dormindo;
- separar animais que estejam brigando;
- entrar em grutas ou furnas e tocar em qualquer tipo de morcego (vivo ou morto);
- criar animais silvestres ou tirá-los de seu habitat natural.



Ministério da Saúde

Fontes:
Aliança Global para o Controle da Raiva
Conselho Federal de Medicina Veterinária. Raiva: previna-se. A raiva mata. (Folder impresso)
Dr. Dráuzio Varella
Ministério da Saúde: Vigilância em Saúde - anotações
Organização Pan-Americana da Saúde
registrado em: Últimas notícias

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Higiene Pessoal é tema de ação educativa promovida pelo CCZ na Escola Felisberto de Carvalho




Higiene pessoal é o conjunto de cuidados essenciais que devemos ter para evitarmos que micróbios e outros seres vivos, como vermes, penetrem no nosso corpo e nos causem doenças. Com essa temática, a equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) – desenvolveu atividade de palestra na Escola Municipal Felisberto Freire, em Badu,  nos dias 26 de agosto e 03 de setembro.

O objetivo da ação educativa em saúde foi levar os alunos do ensino fundamental a perceberem a necessidade de adquirir bons hábitos de higiene, incentivando-os a conhecer e a cuidar do próprio corpo, evitando assim problemas de saúde, tais como pediculose e sarna.

Os agentes Delcir Vieira e Patrícia de Oliveira envolveram as crianças na temática de modo descontraído, com explanação e apresentação de slides.  A pauta abordava conceito de higiene, higiene pessoal e ambiental, limpeza corporal, lavagem das mãos e saúde, características do piolho, ciclo de vida e hábitos do inseto, prevenção e tratamento da pediculose e da sarna.  As palestrantes ressaltaram que esses cuidados são muito importantes na prevenção de doenças e melhorias na qualidade de vida.

“Contamos com uma coordenação e direção bem receptivos ao nosso trabalho. Alunos e professores expressaram entusiasmo com as informações recebidas”, pontuou a palestrante Patrícia.













terça-feira, 24 de setembro de 2019

Saúde em Pauta entrevista Francisco de Faria Neto, diretor do Departamento de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses de Niterói.


A edição de 08 a 14 de setembro de 2019 do SAÚDE EM PAUTA, informativo interno da Fundação Municipal de Saúde de Niterói, entrevista o diretor do Departamento de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses de Niterói, Francisco de Faria Neto, em homenagem ao Dia do Médico Veterinário, celebrado em 9 de setembro.






segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Parabéns, veterinários!!





Homenagem do CCZ de Niterói aos veterinários que trabalham todos os dias para cuidar da saúde e bem estar dos animais, da vigilância sanitária e da procedência dos alimentos de origem animal !


quarta-feira, 4 de setembro de 2019

CCZ intensifica ações de combate ao Aedes aegypti em Piratininga




Na última quinta-feira (29/08), agentes do Serviço de Controle de Vetores (SECOV) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) – intensificaram as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya no bairro de Piratininga. 

Os profissionais atuaram na Estrada Francisco da Cruz Nunes, adentrando as ruas transversais, e a Rua Cornélio de Mello Jr., vistoriando casas e comércios a procura de possíveis focos do inseto, aplicando larvicida e inseticida, quando necessário, e distribuindo material informativo.   Foram realizadas 288 visitas domiciliares ao total.

O objetivo foi intensificar as ações já realizadas rotineiramente durante o ano todo e mobilizar a população para o combate ao Aedes aegypti, 


Ação diária – Além dos mutirões, as equipes do CCZ realizam trabalho intenso de rotina de prevenção e combate ao mosquito em Niterói. Agentes vistoriam diariamente imóveis em todas as regiões do município, combatendo focos do inseto e orientando a população. Profissionais do Programa Médico de Família também atuam em parceria com o CCZ nas suas áreas de cobertura. Niterói também possui Comitês Regionais de Combate à Dengue, organizados pelas Policlínicas Regionais, com ações elaboradas de acordo com as características de cada comunidade.








terça-feira, 3 de setembro de 2019

Educação em Saúde fala sobre higiene pessoal na Escola Padre Leonel Franca




Com o objetivo de levar os estudantes a perceberem a necessidade de adquirir bons hábitos de higiene, incentivando-os a conhecer e a cuidar do próprio corpo, o setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) – realizou nos dias 20, 22 e 27/08 palestra sobre higiene pessoal na Escola Municipal Padre Leonel Franca, em Santa Rosa.

As agentes Daniele Caviare e Leila Neves utilizaram slides em PowerPoint e informações técnicas para sensibilizar os alunos do 1º ao 5º anos do ensino fundamental sobre conceito de higiene, higiene pessoal e ambiental, limpeza corporal, lavagem das mãos e saúde.  A equipe ressaltou que esses cuidados são muito importantes na prevenção de doenças e melhorias na qualidade de vida.

Segundo a palestrante Leila, a atividade teve boa receptividade por parte dos alunos e também da diretoria e coordenação pedagógica.

Parabéns, biólogos!!




O Centro de Controle de Zoonoses de Niterói tem orgulho de contar com biólogos competentes e dedicados no laboratório de zoonoses, educação em saúde e controle de vetores. 
  
Parabéns a todos esses profissionais que atuam a favor da vida em suas várias formas na natureza !!


segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Higiene Pessoal é tema de contação de história promovida pelo CCZ na Escola Vera Lúcia Machado





Higiene pessoal é o conjunto de cuidados essenciais que devemos ter para evitarmos que micróbios e outros seres vivos, como vermes, penetrem no nosso corpo e nos causem doenças. Com essa temática, a equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) – desenvolveu atividade de palestra na Escola Municipal Vera Lúcia Machado, no Badu, nos dias 12, 13, 15 e 20 de agosto.

O objetivo da ação educativa em saúde foi levar os alunos do ensino fundamental a perceberem a necessidade de adquirir bons hábitos de higiene, incentivando-os a conhecer e a cuidar do próprio corpo, evitando assim problemas de saúde, tais como pediculose e sarna.

Os agentes Delcir Vieira e Patrícia de Oliveira envolveram as crianças na temática de modo descontraído, contando a história de João Cascão que se transformou em João Limpão.  O enredo abordava conceito de higiene, higiene pessoal e ambiental, limpeza corporal, lavagem das mãos e saúde, características do piolho, ciclo de vida e hábitos do inseto, prevenção e tratamento da pediculose e da sarna.  As palestrantes ressaltaram que esses cuidados são muito importantes na prevenção de doenças e melhorias na qualidade de vida.

Para Patrícia, a metodologia contribuiu para sensibilizar os alunos a refletirem sobre seus hábitos e atitudes de higiene, como banho, cuidados com alimentação, roupas e sapatos, e meio ambiente. “Foi notório o interesse dos alunos e professores no assunto abordado na história. Professores e coordenação apoiaram a iniciativa”, avaliou a palestrante.