quinta-feira, 30 de maio de 2019

Evento debate arboviroses em Niterói



Criado em 30/05/19 - Atualizado em 04/06/19


Cerca de 300* pessoas participaram do primeiro dia do Seminário de Atualização em Arboviroses e Zoonoses de Niterói


Os profissionais da Saúde do município, como médicos, enfermeiros e agentes de endemias, estão passando por mais uma atualização sobre as arboviroses – as doenças transmitidas por mosquitos. Cerca de 300 pessoas participaram do primeiro dia do Seminário de Atualização em Arboviroses e Zoonoses de Niterói, realizado pelo setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde, do Centro de Controle de Zoonoses. O evento está sendo realizado no Teatro Popular Oscar Niemeyer, no Centro. A programação de encerramento acontece nesta quinta-feira (30), com os temas: controle de roedores, esporotricose e leishmaniose.

O chefe do Departamento de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses, Francisco de Faria Neto, destaca que, além de profissionais da área, também participaram do evento, que é aberto ao público, veterinários, biólogos e estudantes universitários e do Ensino Médio.






Pela manhã, ao falar sobre arboviroses dengue, zika, chikungunya e febre amarela, e analisar os riscos dessas enfermidades, bem como sua transmissão e sintomas, a Coordenadora de Vigilância em Saúde de Niterói, epidemiologista Ana Eppinghaus, se disse esperançosa nas novas estratégias de combate a esses males.




“É muito importante a participação estratégica dos agentes de endemias, que estão trabalhando em conjunto com outros setores, e também o investimento em pesquisas e na renovação e ampliação das parcerias”, disse a especialista.

Este ano, Niterói reduziu 95% os casos das arboviroses, em relação ao mesmo período do ano passado. Isso se deve ao trabalho de agentes do Departamento de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses (Devic) vistoriam diariamente imóveis em todas as regiões do município, combatendo possíveis focos do mosquito e orientando a população. Profissionais do Programa Médico de Família também atuam em parceria com o Devic na prevenção e combate aos focos do mosquito, nas suas áreas de cobertura. Niterói também possui Comitês Regionais de Combate à Dengue, organizados pelas Policlínicas Regionais, com ações elaboradas de acordo com as características de cada comunidade.

Além do trabalho do CCZ, o engenheiro agrônomo e pesquisador do Centro de Pesquisas René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz, Luciano Andrade Moreira, falou sobre o Programa World Mosquito Brasil, em Niterói, com a introdução da bactéria Wolbachia em mosquito Aedes aegypti, que foram soltos em Jurujuba, vem colaborando na diminuição da infestação do vetor.

“A presença da bactéria Wolbachia em Aedes aegypti tem a capacidade de reduzir a transmissão do vírus da febre amarela nesta espécie de mosquito”, relembrou o pesquisador, ressaltando que, o programa está presente atualmente em 12 países, e que a Fiocruz chega a produzir por semana cerca de quatro milhões de mosquitos infectados.




A situação da raiva em Niterói foi tema da palestra do professor de veterinária da Universidade Federal Fluminense (UFF), Flávio Fernando Batista Moutinho. Segundo o especialista, desde 1985 o Estado do Rio não registra um caso de raiva humana.




As cobras peçonhentas foi tema do biólogo do Instituto Vital Brazil (IVB), Cláudio Machado. E logo depois, os escorpiões estiveram na pauta do pesquisador do IVB, Cláudio Maurício.






Programação

Nesta quinta-feira (30), às 9h, o chefe do CCZ, Fábio Villas Boas, falará sobre o trabalho de Vigilância das Zoonoses em Niterói. Às 9h45, o assunto em debate será a desratização e controle de roedores, com o agente de endemias e biólogo do CCZ, Devylson da Costa Campos.

A programação continua às10h30, com a palestra sobre esporotricose humana, com as pesquisadoras do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fiocruz, Luísa Helena Monteiro de Miranda e Paula Gonçalves Viana. Às 11h15, o tema será a esporotricose animal com a representante do CCZ, veterinária Cíntia da Silva Santos.

Às 14h, a situação atual da leishmaniose visceral canina em Niterói será analisada pela veterinária Viviane Nunes e às 14h45 a pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), Andrea Sobral de Almeida, conduz a palestra sobre a vigilância da leishmaniose visceral. Encerrando o evento, às 15h30, será realizado um debate aberto ao público com uma ampla abordagem de todos os assuntos tratados no seminário.


Segundo dia

Na primeira exposição do segundo dia, que ocorreu na quinta-feira (30),  o chefe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Fabio Villas Boas, apresentou um histórico sobre as políticas de vigilância em Zoonoses, as mudanças na legislação protocoladas até hoje e detalhou as principais doenças transmitidas pelos animais ao homem: arboviroses, raiva, leptospirose, leishmaniose e esporotricose.

Relatando a trajetória histórica das políticas de saúde na área, Fabio ressaltou o surgimento da nova nomenclatura de Unidade de Vigilância em Zoonoses: “o termo Controle ficou muito estigmatizado no combate à raiva animal quando surgiu essa política. Hoje, após maior controle da doença e redução dos casos, depois das campanhas de vacinação, o conceito foi ampliado”. Além das campanhas de vacinação contra raiva, que costumam ocorrer em setembro, Fábio lembra que o Horto do Barreto e o Campo de São Bento realizam a imunização rotineiramente o ano todo.




Outro trabalho rotineiro da Zoonoses é na visita às casas e nas ruas no combate aos roedores. Para tratar do tema, o agente Devylson Campos explicou o duplo trabalho dos agentes de saúde: “promovemos a educação aos cidadãos, alertando sobre o risco de deixar ração de animais domésticos à disposição e o despejo de restos de alimentos no quintal, como também aplicamos raticida quando necessário".

Devylson alertou também sobre os perigos da leptospirose, doença bacteriana que pode levar ao óbito se não tratada através de exames e uso de antibióticos. “Trabalhamos de forma contínua para evitar a proliferação de ratos e impedir que eles formem seu ciclo completo”, explicou ao tratar do comportamento e hábitos do animal.





A Leishmaniose Visceral (LV), doença causada por um protozoário da espécie Leishmania chagasi, é uma zoonose de evolução crônica, com acometimento sistêmico e, se não tratada, pode levar a óbito até 90% dos casos. É transmitida ao homem pela picada de fêmeas do inseto vetor infectado, denominado Flebótomo e conhecido popularmente como mosquito palha, asa-dura, tatuquiras, birigui, dentre outros. No Brasil, a principal espécie responsável pela transmissão é a Lutzomyia longipalpis.

A pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, Andrea Sobral, apresentou um relatório pormenorizado sobre a situação da leishmaniose visceral canina e humana no Brasil e no Mundo. Segundo ela, Índia, Bangladesh, Sudão, Sudão do Sul, Brasil e Etiópia são os países que mais apresentam casos da doença.






*  Segundo a organização do evento, cerca de 400 pessoas.


Fonte do texto:  Prefeitura de Niterói / ASCOM Saúde
Fonte das imagens:  CCZ de Niterói


quinta-feira, 16 de maio de 2019

Niterói realiza seminário de atualização em arboviroses e zoonoses


ATENÇÃO:  INSCRIÇÕES ENCERRADAS




Arboviroses, Wolbachia, Raiva, Aranhas e Escorpiões, Cobras Peçonhentas, Roedores, Esporotricose e Leishmaniose.  Esses serão alguns dos temas discutidos no SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM ARBOVIROSES E ZOONOSES DE NITERÓI, promovido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), por meio do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC).

O encontro acontece nos dias 29 e 30 de maio de 2019, das 9h às 17h, no Auditório do Teatro Popular Oscar Niemeyer (Rua Jornalista Rogério Coelho Neto, s/nº - Centro – Niterói). Podem participar profissionais que atuam na área de saúde e estudantes.  O evento é gratuito, tem vagas limitadas e há necessidade de inscrição prévia. 





Informações e inscrições, ligue para (21) 2613-3246 ou envie um e-mail para inscricoescczniteroi@gmail.com


Programação:  




Alunos da UMEI Odete Rosa participam de contação de história sobre arboviroses




Na última quinta-feira (9/05), a equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) – realizou atividade  de contação de história sobre o tema Arboviroses na Unidade Municipal de Educação Infantil Odete Rosa da Mota, em Itaipu.

A ação educativa em saúde teve o objetivo de estimular nos alunos a sensibilização sobre os perigos e cuidados com o mosquito Aedes aegypti, vetor responsável pela transmissão das arboviroses dengue, chikungunya, zika e febre amarela, 

Desenvolvida pelos agentes Élcio Nascimento e Rita Costa, a contação de história se propôs a despertar nas crianças a imaginação, as emoções, o interesse e as expectativas em relação ao assunto proposto (arboviroses) de maneira lúdica e divertida.  A metodologia de ensino também teve a intenção de motivar os pequenos a se tornarem incentivadores dos hábitos de prevenção em suas casas. 

A atividade se deu em parceria com a enfermeira Bianca, do PMF Maravista, que realizou projeto educativo como parte do Programa Saúde na Escola.









quarta-feira, 15 de maio de 2019

Educação em Saúde realiza contação de história na UMEI Nina Rita




Com o objetivo de estimular nos alunos a sensibilização sobre os perigos e cuidados com o mosquito Aedes aegypti, vetor responsável pela transmissão das arboviroses dengue, chikungunya, zika e febre amarela, a equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) – realizou atividade  de contação de história na Unidade Municipal de Educação Infantil Nina Rita Torres, em Piratininga.

A ação educativa em saúde desenvolvida pelos agentes Élcio Nascimento e Rita Costa se propôs a despertar nas crianças a imaginação, as emoções, o interesse e as expectativas em relação ao assunto proposto (arboviroses) de maneira lúdica e divertida.  A metodologia de ensino também teve a intenção de motivar os pequenos a se tornarem incentivadores dos hábitos de prevenção em suas casas. 







CCZ realiza capacitação de professores da Creche Comunitária Eulina Félix




Professores da Creche Comunitária Eulina Félix, em Cantagalo, receberam capacitação sobre arboviroses (dengue, febre de chikungunya e zika) realizada pelo Centro de Controle de Zoonoses – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – na referida unidade educacional, no dia 25 de abril. 

O corpo docente aprofundou conhecimentos sobre arboviroses e seus sintomas, a importância da vacinação contra a febre amarela, a desmistificação da questão equivocada da relação dos macacos com a transmissão direta da febre amarela em humanos, características dos mosquitos transmissores, principais medidas de prevenção e combate aos possíveis criadouros do vetor comum (Aedes aegypti), o mosquito Aedes aegypti com bactéria Wolbachia liberados pelo projeto ‘Eliminar a Dengue: Desafio Brasil’ no município.

O objetivo da ação educativa em saúde foi atualizar informações e aprimorar conhecimentos que facilitem a multiplicação do saber aos alunos.  Para isso, a equipe do IEC, representada pelos agentes Delcir Vieira e Patrícia de Oliveira, desenvolveu a atividade tendo como metodologia o diálogo interativo, nos moldes de palestra, com apresentação de slide-show e distribuição de material informativo.

“A participação dos professores foi bastante ativa. Colocamos como sugestão a possibilidade dos professores multiplicarem as informações com os profissionais da limpeza e organização escolar para que a prática destes seja aprimorada e sirva de exemplo aos alunos. Orientamos sobre a importância do descarte correto de objetos que não tem mais utilidade e a manutenção diária e semanal para evitar qualquer chance da existência de criadouros”, relatou a palestrante Patrícia.

A atividade contou com a participação especial de professora da UFF, Sra. Cléo, que ofereceu  dica valiosa para confeccionarmos um mapa falante de possíveis criadouros da comunidade junto aos alunos.  Compareceram também ao evento o líder comunitário Sr. José Plácido e a presidente da Associação de Moradores Eulina Félix, Sra. Maria Félix Plácido.





terça-feira, 14 de maio de 2019

Usuários do PMF Maceió recebem ação educativa sobre arboviroses


Com o objetivo foi alertar sobre os perigos à saúde causados pelas arboviroses e a importância da prevenção, destacando as doenças dengue, zika, chikungunya e febre amarela urbana, o setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) - realizou atividade de sala de espera sobre o tema Arboviroses no Médico de Família do Maceió.

A equipe do IEC, representada por Delcir Vieira e Patrícia de Oliviera,  desenvolveu bate-papo interativo, informando e orientando as pessoas que aguardavam atendimento sobre quais medidas são necessárias para se evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti (principal transmissor dos vírus causadores dessas arboviroses no país) no ambiente domiciliar e demais de convívio.  Os usuários dos serviços também receberam panfletos e revistinhas educativas.  A atividade ocorreu em 04 de abril.

O público participou ativamente, interagiu com atenção dirigida e perguntas sobre o tema.  “Muitos relataram que é necessário haver organização mais efetiva e manutenção mais frequente do ambiente domiciliar para que seja evitada a proliferação de mosquitos. Finalizamos informando que 80% dos criadouros são encontrados em residências e que juntos podemos impedir consideravelmente o ciclo de vida do Aedes aegypti”, contou Patrícia.


sexta-feira, 3 de maio de 2019

O Dia D de mobilização da campanha nacional de vacinação contra a gripe será neste sábado (04) em nossa cidade!





Faça parte desse movimento que pretende imunizar, até 31 de maio, cerca de 176 mil pessoas. Quem tem mais de 60 anos faz parte do público-alvo, assim como trabalhadores da área da saúde, educação (rede pública ou particular) e do sistema prisional. Crianças de seis meses e menores de seis anos (cinco anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto) também devem ser vacinadas, além de pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas. Portadores de doenças crônicas não transmissíveis, que inclui pessoas com deficiências específicas, devem levar a prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. Mais de 500 profissionais estarão realizando o atendimento em todas as policlínicas regionais, unidades básicas de saúde e módulos do Programa Médico de Família, das 8h às 17h.

Confira os locais de vacinação:

Policlínicas
  • Dr. Carlos Antônio da Silva - Rua Jansen de Mello s/nº, São Lourenço; 
  • Dr. Sérgio Arouca, Praça Vital Brazil s/nº – Santa Rosa; 
  • Dr. Guilherme Taylor March - Rua Desembargador Lima Castro, 238, Fonseca; 
  • Dr. Francisco da Cruz Nunes - Rua Ver. Armando Ferreira, 30, Largo da Batalha; 
  • Assistente Social Maria Aparecida da Costa - Est. Engenho do Mato s/nº, Itaipu;
  • Dr. Renato Silva - Av. João Brasil, s/nº- Engenhoca, 
  • Rua Jornalista Sardo Filho, 196, Ilha da Conceição; 
  • Av. Carlos Ermelindo Marins s/nº, Jurujuba; 
  • Av. Colônia s/nº, Caramujo; 
  • Professor Barros Terra - Rua Alcebíades Pinto, s/nº, Cantagalo;
  • Dr. João da Silva Vizella, Rua Luiz Palmier, 726 – Barreto.


Unidades Básicas de Saúde (USB)

Centro, Morro do Estado, Santa Bárbara, Engenhoca, Baldeador e Piratininga.


Programa Médico de Família (PMF) e Clínica Comunitária da Família (CCF) 
Alarico, Atalaia, Bernardino, Cafubá I, Cafuba II, cafuba III, Cantagalo, Caramujo, Colônia, Engenho, Grota I, Grota II, Ititioca, Jonathas Botelho, Jurujuba, Leopoldina, Maceió, Maravista, Marítimos, Maruí, Matapaca, Nova Brasília, Palácio, Preventório I, Preventório II, Souza Soares, Viçoso, Vila Ipiranga, Viradouro, Vital Brasil e CCF Badu, Ilha da Conceição, Teixeira de Freitas e Várzea das Moças, Morro do Céu e Cavalão.